A Viagem Interior de Gauguin

A diretora e animadora Hayoun Kwon, cuja filmografia apresenta um trabalho de animação inovador, particular, mesclando realidade e ficção, está preocupada com a reconstrução da memória histórica, que segundo o sociólogo francês Maurice Halbwachs, no livro "A Memória Coletiva", essa memória pode ser compreendida por série de acontecimentos que marcam a história de um determinado país, e a memória individual, "passado vivido", como na luta contra o esquecimento e/ou apagamento.

Alguns de seus filmes de curta-metragem abordam questões sociais e políticas, em especial à Coreia, mas particulamente a fronteira entre a Coreia do Sul e a Coreia do Norte, onde nasceu. Em uma entrevista, Kwon menciona que: "com animação, sou capaz de jogar com ficção e fantasia dentro de uma área proibida e meu trabalho artístico é uma extensão da possibilidade hipotética. Eu sou capaz de ir além do limite da minha realidade. Pela particularidade da animação que se distingue da realidade, usar a animação como um meio para superar minha situação política".

O seu mais recente trabalho, o curta-metragem de animação "Le Voyage Intérieur de Gauguin", exibido durante o My French Film Festival 2019, nos leva a mergulhar no universo interior do maravilhoso artista plástico pós-impressionista Eugène-Henri-Paul Gauguin (1848-1903).

Poético, sensorial e onírico, acompanhamos sua primeira viagem ao Taiti, na Polinésia Francesa. É justamente neste período, que passa a desenvolver a visualidade carecterística do seu traballho artístico. Narrado em primeira pessoa, com base em seus  depoimentos registrados durante a viagem, o paraiso taitiano retratado por Gauguin ganha vida e movimento na animação, e as cores dos trópicos, intensas e vibrantes, além de valorizar os aspectos simbólicos das obras, nos enchem os olhos.

Em seu livro "Noa noa", de 1982, relata: "(…) A  civilização sai aos poucos de mim e começo a pensar com simplicidade, a  alimentar pouco ódio pelo meu próximo, a funcionar de forma animal, livre, com a certeza de que o amanhã é igual ao dia de hoje. Todas as manhãs o sol se ergue tranquilo para mim como para toda a gente. Faço-me descuidado, sereno e amante. […] Aqui a poesia liberta-se sozinha e só é preciso deixarmo-nos arrastar no sonho, pintando de forma a sugeri-la […]".

"Le Voyage Intérieur de Gauguin" é um curta-metragem belíssimo, sensível e encantador. 

 

 

 

Erica Ribeiro

Erica Ribeiro

Comunicóloga, escritora, cineasta e cofundadora do EntreLinha. É cinéfila, amante das artes e da literatura.