O Olho e o Rio: Todo Retrato é um Rio

O que faz com que duas pessoas se encontrem toda semana, sempre no mesmo horário, durante meses ou mesmo anos a fio para se sentarem uma diante da outra quase imóveis, quase quietas, por duas horas ou mais, cumplices em um propósito que se revela da saída impossível: o de fixar em uma única imagem a inescrutável face?

(Extraído do texto "Todo retrato é um rio", do artista plástico Ernesto Bonato)

Em cartaz no Museu de Arte Comtemporânea de Campinas (MACC) até o dia 27 de outubro, a belíssima exposição "O Olho e o Rio", de Enesto Bonato, apresenta pinturas de retrato que, desde 2009, o artista tem investigado como meio de se estabelecer encontros dilatados com o outro, onde o tempo, diálogo e o silêncio tornnam-se tecidos na construção conjunta de uma imagem que é, ao mesmo tempo, identidade e alteridade.

Nesse encontro entre o artista e o retratado, gera uma possibilidade de diálogo muitas vezes muda, como menciona o próprio artista em numa palestra realizado durante a exposição, que de algum modo vai sendo registrado na tela através de suas pinceladas, em uma imagem estética. Uma imagem que também pode revelar algo muito particular que o próprio artista capta com sua sensibilidade. 

Foto: EntreLinha

O conjunto de pinturas que compoem a exposição "O Olho e o Rio", realizadas em diferentes locais e situações, mas, no entanto, partindo sempre da premíssa do convívio, da escuta e do silêncio, constitui-se em uma outra possibilidade de abordar a representação da face humana, tão exarcebada na contemporaneidade pelos meios de informações, redes sociais, publicidade e na arte, quase sempre mediadas ou derivadas da fotografia e do vídeo, como menciona o artista.

Esse reencontro da observação direta, do desenho e da pintura desloca a questão do campo da pura representação e das implicações sociais e políticas da imagem, para o da ação, do fazer e da experiência existencial, implícita nos encontros e na pintura que deles deriva. Assim, o artista busca subverter a própria noção do retrato como afirmação/confirmação da personalidade e da imagem social que se quer oferecer, para, no lugar disso, como expressa Bonato, assumir essa prática como uma possibilidade de encontro e reconhecimento de si e do outro.

"O Olho e o Rio" além de apresentar retratos e até mesmo autorretrato de Bonato, o público também terá a oportunidade de participar de sessão de pintura e desenho no ateliê dentro da exposição, palestras e conversas. A entrada é gratuita.

 

 

 

INFORMAÇÕES

 

Exposição "O Olho e o Rio", de Ernesto Bonato

Abertura: 20 de setembro

Horário de visitação: 21 de setembro a 27 de outubro, de terças, quartas, sextas e sábados, das 10 às 18h | domingos e feriados, das 9 às 12h | quintas, das 10 às 21h |

Sessão de Pintura: todas terças, quartas e sextas, das 14h às 18h

Sessão de Desenho: todas quintas, às 14h

Local: MACC Museu de Arte Contemporânea de Campinas –  Av. Benjamin Constant, 1633 – Centro

Contato: (19) 2116.0346 I (19) 3236.4716

Entrada gratuita

 

Erica Ribeiro

Erica Ribeiro

Comunicóloga, escritora, cineasta e cofundadora do EntreLinha. É cinéfila, amante das artes e da literatura.