O poder do branco

Fugindo um pouco do tradicional, peço licença para falar de uma fase que, com a correria e a tecnologia, tem sido cada vez mais deixado de lado: o bom e velho rascunho, sketch, croqui… Enfim, aquela etapa de começo de qualquer coisa.

O poder que essa fase possui em qualquer projeto é muito grande, pois é ali que nascem as melhores ideias, a organização dos pensamentos, dentre outras coisas. Infelizmente, com o avanço da tecnologia e falta de tempo, esse meio tem perdido espaço.

Mas até que ponto os softwares não nos limita na questão de nos soltarmos e produzirmos da melhor forma? Será que acabarmos limitados pelas ferramentas por não possuirmos total conhecimento de como fazer certas ações? Mas da mesma forma acabamos ficando dependentes deles.

O medo em usar as nossas mãos para colocar as ideias em pratica sem utilizar cliques e arrastões de mouse pode surgir. No entanto, lembre-se que essa fase é muito importante. Coloque as ideias para fora, mesmo que não possua aquela habilidade mais apurada para o desenho, que seja em forma de simples traços. Esta é a graça dessa fase.

10449608_880333961977962_1225201333_n

 A essência da criatividade é não dar limites para a mente, é deixar fluir os pensamentos de forma simples e tranquila (quando possível, pois algumas vezes não é tão tranquilo assim) e o uso do velho companheiro de nossas vidas: “o papel”. Se pararmos para pensar, é ele que nos fez felizes quando crianças, quando nossos primeiros lampejos criativos vieram à tona, quando apenas deixávamos levar pela magia de rabiscar.

Para qualquer área criativa, ou qualquer outra área, uma folha em branco sempre será uma arma contra a perda de ideias e para a lapidação delas.

Lucas Placer

Lucas Placer

Designer e viciado pela profissão, estudante de arquitetura, amante dos esportes americanos, atleta de final de semana e café é meu alucinógeno da hiperatividade.