Oscar 2018: produções cinematográficas que vão além do gênero

Diferentemente do que vimos no Globo de Ouro deste ano, em que ocorreu o protesto Time's Up, tanto no tapete vermelho quando durante a premiação através de discursos marcantes, contra o assédio sexual em Hollywood, na edição do Oscar 2018 foi para os bastidores.

Embora o número de mulheres indicadas em várias categorias no Oscar 2018 tenha sido até expressivo em relação às edições anteriores, vemos que não mudou muita coisa quando olhamos os nomes vencedores de um dos maiores Festivais de Cinema. Confesso que a minha expectativa era grande em ver mulheres premiadas e valorizadas pelos seus belos trabalhos no meio cinematográfico, mas não foi dessa fez, infelizmente.

Uma fala da diretora e roteirista, Ava DuVernay, que dirigiu os recentes filmes “babba,  a respeito da falsa sensação de mudança em Hollywood, pautado em edições anteriores do Oscar e no Globo de Ouro, vem bem a calhar:

“Sou uma anomalia. Ryan Coogler [diretor de Pantera Negra] é uma anomalia. Barry Jenkins [diretor de Moonlight] é uma anomalia. Dee Rees [diretora de Mudbond] é uma anomalia. Se você consegue nomear todos nós em duas mãos, não é mudança. […] Momentos como este só se sustentam se há mudança sistêmica. Estamos sentados em um sistema quebrado. Se não houver mudança sistêmica, seremos apenas a coisa brilhante ali no topo que faz as pessoas se sentirem bem”, afirma DuVernay.

A estrela Frances McDormand, de "Três Anúncios para um Crime", premiada como Melhor Atriz, que durante seu discurso, convidou todas as mulheres indicadas nas mais diferentes categorias que se levantassem e finalizou sua fala referindo-se ao “movimento que pede que artistas estabeleçam em contrato que suas produções tenham diversidade de gênero e de raça”.

"Todas nós temos histórias para contar e projetos para financiar. Não falem conosco sobre isso nas festas esta noite. Nos convidem para seus escritórios daqui uns dias. Ou podem ir aos nossos. O que for melhor. E contaremos tudo sobre eles. Tenho três palavras para deixar com vocês esta noite, senhoras e senhores: cláusula de inclusão."

Cena do filme "Corra!", do cineasta e roteirista Jordan Peele

Os filmes indicados para esta edição trazem temáticas que vão além das questões de gênero, ficando claro também o componente social, tais como, o longa-metragem “Corra!”, do diretor e ator Jordan Haworth Peele, que vem com uma roupagem do gênero de terror colocando em pauta a questão do racismo nos Estados Unidos; e “Projeto Flórida”, de Sean Baker, centrado na classe média baixa, retratando famílias que vivem em motéis baratos na beira da rodovia de Orlando.

Destaco aqui o filme “Uma Mulher Fantástica”, do cineasta chileno Sebastián Lelio, premiado como Melhor Filme Estrangeiro, que faze história nesta edição do Oscar, pois é primeiro filme do país a ser premido no evento, e, principalmente, por aborda sobre o preconceito sofrido por uma mulher transexual, a Marina, interpretada por uma atriz trans.

 

Confira os premiados da edição do Oscar 2018:

Cena do filme "A Forma da Água", do cineasta mexicano Guillermo del Toro

Melhor Filme: “A Forma da Água”

Melhor Atriz: Frances McDormand, por “Três Anúncios Para um Crime”

Melhor Ator: Gary Oldman, por “O Destino de Uma Nação”

Melhor Diretor: Guillermo del Toro, por  “A Forma da Água”

Melhor Canção Original: “Remember Me”, de Kristen Anderson-Lopez e Robert Lopez para “Viva: A Vida é uma Festa”

Melhor Trilha Sonora: Alexandre Desplat, por “A Forma da Água”

Melhor Fotografia: Roger Deakins, por “Blade Runner 2049”

Melhor Roteiro Original: Jordan Peele, por “Corra!”

Melhor Roteiro Adaptado: James Ivory, por “Me Chame Pelo Seu Nome”

Melhor Curta-Metragem: “The Silent Child”

Melhor Documentário Curta-Metragem: “Heaven Is a Traffic Jam on the 405”, de FrankStielf

Melhor Edição: “Dunkirk”

Melhores Efeitos Visuais: “Blade Runner 2049”

Melhor Animação: “Viva: A Vida é uma Festa”

Melhor Curta-Metragem de Animação: “Dear Basketball”, de Glen Keane

Melhor Atriz Coadjuvante: Alison Janney, por “Eu, Tonya”

Melhor Filme Em Língua Estrangeira:  “A Fantastic Woman”

Melhor Design de Produção: “A Forma da Água”

Melhor Mixagem de Som: “Dunkirk”

Melhor Edição de Som: “Dunkirk”

Melhor Documentário: “Icarus”, de Bryan Fogel

Melhor Figurino: “Trama Fantasma”

Melhor Maquiagem : “Destino de Uma Nação”

Melhor Ator Coadjuvante: Sam Rockwell, por “Três Anúncios Para um Crime”

 

 

Erica Ribeiro

Erica Ribeiro

Comunicóloga, escritora, cineasta e cofundadora do EntreLinha. É cinéfila, amante das artes e da literatura.

Posted Under
Sem categoria