A visceralidade musical de Liniker

Descobri, recentemente, meio sem querer, uma banda de Araraquara, interior do Estado de São Paulo, chamada Liniker, que leva o mesmo nome do vocalista. Ao ouvir “Zero”, meu primeiro contato, não consegui mais parar de ouvir. Sim, me transpassou. É maravilhoso. 

Com letras poéticas e autorais, que trazem assuntos que perpassam a contemporaneidade, Liniker pega os desavisados de jeito com suas canções belíssimas e a flor da pele, que não deixa ileso de forma alguma quem a ouve. É visceral.

Ao som do soul à blackmusic com ritmos brasileiros, o álbum “Cru” – título que já traz em si uma intensidade -, lançado pelo Vulkania, estreia o cantor, compositor e ator, Liniker, no cenário musical. Sua voz versátil e potente, além da performance e estilo marcante, destacam o jovem artista. 

A banda é composta pelo baterista Guilherme Garboso, no baixo, Paulo Costa, Márcio Bortoloti no trompete/trombone, Willian Zaharanszki na guitarra, Rafael Barone (baixo / guitarra) e as backing vocals Barbara Rosa, Ekena Monteiro e Renata Santos.

Deixe o som contagiante de Liniker bagunçar você também. Viva a música independente. 

Erica Ribeiro

Erica Ribeiro

Comunicóloga, escritora, cineasta e também jardineira. É cofundadora do Coletivo Pausa, cofundadora/editora-chefe do EntreLinha, uma cinéfila incorrigível, amante das artes e da literatura.