Funfun: entre a vida e a arte

 

Ao entrar em contato com o videoinstalação titulado “FunFun”, cor branca em iorubá, do artista visual, curador e professor do curso de Artes Visuais do Centro de Artes, Humanidades e Letras da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia – UFRB, o baiano Ayrson Heráclito, fiquei encantada com tamanha força e poesia que há em seu trabalho.

“FunFun” é uma homenagem, um réquiem à sacerdotisa do candomblé Estelita de Souza Santana, juíza perpétua da Irmandade de Nossa Senhora da Boa Morte, em Cachoeira (BA), que morreu aos 105 anos. Uma mulher que se tornou um mito na região.

O vídeo é divido em dois canais. O primeiro, visto na mesma tela, surge a imagem impressionante de inúmeras garças brancas pousadas em uma árvore que, segundo o artista, apareceram no dia do sepultamento da sacerdotisa. Há um mito muito interessante do Recôncavo da Bahia que “quando morre uma velha sacerdotisa negra ela se metamorfoseia em uma garça branca que transporta sua alma de volta para África”, levando-a para Orum, plano espiritual. 

Do outro lado da tela, o artista mostra a festa da Irmandade de Nossa Senhora da Boa Morte à sacerdotisa Estelita, ritual de passagem espiritual, de Aiyê (seria plano terreno) ao Orum (o plano espiritual) e a  cor branca usada no ritual, durante o velório, simboliza a pureza e o bem. Ambas as imagens se “conversam” e seus significados se entrelaçam, numa bela poesia imagética. 

Confira:

Ayrson Heráclito traz para “Funfun” os elementos da cultura afro-brasileira, seus simbolismos e mistérios, um encontro entre etnografia e as narrativas mitológicas, transformando a vida em arte. 

 

*Crédito da segunda fotografia: Everton Ballardin

Erica Ribeiro

Erica Ribeiro

Comunicóloga, escritora, cineasta e também jardineira. É cofundadora do Coletivo Pausa, cofundadora/editora-chefe do EntreLinha, uma cinéfila incorrigível, amante das artes e da literatura.